O que é Tesouro Direto – Saiba Tudo e Perca o Medo de Investir

Neste artigo você entenderá definitivamente o que é Tesouro Direto, conhecerá um pouco da sua história, saberá quais são os títulos ali ofertados, terá uma visão geral de suas principais vantagens no mundo dos investimentos, entenderá um pouco sobre suas regras básicas e ainda saberá como vincular seus objetivos financeiros à esta importante espécie de investimento.

O Tesouro Direto nada mais é que uma plataforma online que permite a compra e venda de Títulos Públicos Federais para pessoas físicas, sendo um programa desenvolvido pelo Tesouro Nacional (o “caixa” do Governo Federal) em parceria com a BM&F Bovespa (a Bolsa de Valores oficial do Brasil), atual B3.

Em outras palavras, o Tesouro Direto é um programa do Governo Federal que se destina a facilitar a oferta dos títulos públicos para as pessoas físicas.

O Tesouro Nacional é responsável pela emissão e pela garantia dos títulos públicos federais, realizando, portanto, a oferta ao público destes títulos. Deste modo, os investidores pessoas físicas podem adquiri-los ou vende-los de maneira direta, através do portal do investidor no site do Tesouro.

O nome é Tesouro “Direto” justamente por permitir que o investidor pessoa física compre e venda os Títulos Públicos Federais diretamente de uma plataforma online, sem a necessidade de precisar investir em um fundo de renda fixa de algum banco, como acontecia antes do ano de 2002.

Até 2002, somente as instituições financeiras tinham acesso aos títulos públicos federais, sendo que os investidores que desejavam investir nos títulos do tesouro, necessitavam adquirir dos bancos algum fundo de renda fixa, chegando aos títulos públicos somente de maneira indireta, o que lhes acarretava no pagamento das altas taxas de administração que incidem neste fundos de renda fixa.

Foi em 7 de janeiro de 2002 que houve a criação da plataforma do Tesouro Direto, o que proporcionou a popularização do investimento em títulos públicos federais através da internet, fazendo com que o cidadão tivesse o acesso direto à um investimento bastante seguro e com boa rentabilidade.

Através do Tesouro Direto é possível investir dinheiro com baixo risco, já que esta modalidade de investimento possui o menor risco de crédito do mercado, e ainda permite a obtenção de uma rentabilidade muito maior que a poupança ou outras aplicações tradicionais.

Investidores profissionais afirmam que é possível alcançar uma rentabilidade cerca de 18% maior que a poupança, ainda que incida imposto de renda e taxas sobre a rentabilidade dos títulos públicos.

Rentabilidade líquida Acumulada (Tesouro Direto X Pupança)

O Tesouro Direto permite que você invista com pouco dinheiro, já que com R$ 30,00 é possível adquirir a fração de algum dos títulos ofertados, sendo uma forma bastante acessível à um investimento de renda fixa.

O Tesouro Direto foi criado, portanto, com o objetivo de permitir o acesso do investidor pessoa física à um excelente ativo, fornecendo-lhe a opção de investir diretamente nos títulos do tesouro nacional, sem que haja a necessidade de passar pelos fundos de investimentos dos bancos, estimulando assim, o investidor a buscar os horizontes de curto, médio e longo prazo por meio de uma aplicação segura e rentável.

O que são títulos do Tesouro Direto

O que são os Títulos do Tesouro Direto

Os Títulos do Tesouro Direto nada mais são do que instrumentos de empréstimos, nos quais o investidor empresta o seu dinheiro para o Governo Federal em troca de receber de volta essa mesma quantia no futuro e mais uma remuneração.

Para formalizar esse empréstimo, o governo emite em favor do investidor um documento constando todos os dados da operação de empréstimo realizada, de modo que esse documento recebe o nome de Título do Tesouro Direto.

Você deve estar se perguntado por qual motivo o Governo Federal necessita receber dinheiro emprestado de pessoas físicas e existem 3 respostas para isso.

1ª) A primeira é a de que o Governo gasta mais do que arrecada e sempre necessita de recursos para fazer frente à suas despesas;

2ª) A segunda é a de que o Governo Federal busca realizar um endividamento para ampliar a sua capacidade de proporcionar o bem estar da sociedade (supremacia do interesse público), como no caso de construções de rodovias, escolas, hospitais etc;

3ª) A terceira é a de que o Governo necessita movimentar a economia nacional, estimulando o cidadão a se tornar um investidor e sair de eventual situação de endividamento.

Para distribuir esses custos ao longo do tempo ocorre a oferta dos títulos públicos no mercado financeiro.

Por que investir no Tesouro Nacional

Porque investir no Tesouro Direto

Como já mencionado, o Tesouro Direto proporciona uma excelente rentabilidade aliada à um baixo risco (risco de crédito, risco de mercado e risco de liquidez), mas estas não são as únicas razões pelas quais se deve investir em títulos públicos, já que existem diversas outras vantagens que tornam esse investimento muito atrativo, seja para investidores iniciantes, seja para investidores experientes.

Seguem algumas vantagens de se investir nos títulos públicos:

  • Os títulos do Tesouro Direto possuem baixíssimo risco de crédito, já que são emitidos pelo governo federal, que, em última análise, é o responsável pela emissão de moeda no país através da Casa da Moeda (a Casa da Moeda é uma Empresa Pública Federal vinculada ao Ministério da Fazenda);
  • Complementando a primeira vantagem, é muito seguro investir no Tesouro Direto, pois existe a garantia pelo Tesouro Nacional de 100% do valor investido, pouco importando o volume de dinheiro aplicado pelo investidor;
  • Os títulos possuem alta liquidez, já que o Tesouro Nacional garante a recompra dos títulos diariamente, isto é, em 1 dia útil (D+1), podendo o investidor se desfazer deles quando quiser;
  • Em razão da liquidez, o investidor toma para si o poder de decisão neste investimento, já que irá comprar e vender os títulos no montante e o no prazo que desejar;
  • As taxas de administração são baixas, sendo uma das menores do mercado financeiro, podendo incidir apenas duas taxas, a Taxa de Custódia cobrada pela Bovespa (0,3% ao ano) e também a Taxa do Agente Financeiro que varia de 0% a 2% ao ano;
  • Grande simplicidade na parte prática de compra, venda e consulta dos investimentos, pois tudo é feito pela internet no portal do investidor do Tesouro Direto, permitindo compras de R$ 30,00 até R$ 1.000.000,00 por mês;
  • Possibilidade de diversificação dentro desta modalidade de investimento, já que existem títulos com diferentes rentabilidades e diferentes indexadores, o que permite o investidor montar uma carteira personalizada de acordo com os seus objetivos, prazos de vencimento e fluxos de pagamentos;
  • A cobrança dos impostos é a mesma que dos demais investimentos de renda fixa, ou seja, incide o IOF sobre o lucro das aplicações resgatadas antes de 30 dias, bem como incide Imposto de Renda com alíquota regressiva, também sobre o lucro das aplicações:
  • 22,5% sobre os rendimentos recebidos até 180 dias;
  • 20% sobre os rendimentos recebidos entre 181 a 360 dias;
  • 17,5% sobre os rendimentos recebidos entre 361 a 720 dias;
  • 15% para rendimentos recebidos após 720 dias.

Regras básicas do Tesouro Direto

  1. Como já mencionado, existem alguns limites de compras, ou seja, as quantidades mínimas de aquisição deverão se dar em múltiplos de 0,1 de fração do título (1%), respeitando-se o valor mínimo de R$ 30,00. Por outro lado, o limite máximo de compra é de R$ 1.000.000,00 por mês. É possível realizar a compra digitando-se o valor financeiro (quantidade de dinheiro) que se quer investir ou mesmo, digitando-se a quantidade de títulos que se quer comprar (fração do título).
  2. É possível realizar a venda dos títulos que fazem parte da carteira dos investidores, em favor do próprio Tesouro Nacional durante o horário de funcionamento do mercado, ou seja, o Tesouro Nacional realiza a recompra dos títulos daqueles investidores que desejam vende-los, sem que haja limite de valor ou de quantidade.
  3. Os preços de compra podem sofrer atualização à qualquer momento, portanto, é comum que o investidor se depare com um preço de manhã, outro à tarde e outro no fechamento do mercado.
  4. Pode-se consultar os preços e taxas dos títulos no portal do investidor, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  5. Podem ser cobradas duas taxas para os investimentos em Tesouro direto, a Taxa de Custódia de 0,3% ao ano da BM&F Bovespa e a Taxa do Agente (Corretora/Banco) de 0% até 2% ao ano.
  6. O prazo de liquidação, ou seja, o creditamento dos títulos adquiridos pelo investidor, ocorre no mesmo dia da compra (D+0) ou no primeiro dia útil subsequente a compra (D+1), conforme as regras da Corretora.
  7. A tributação de Imposto de Renda sore o lucro dos investimentos é regressiva, inicia na alíquota (“percentual”) de 22,5% e termina em 15%. Com relação ao IOF, este imposto incidirá apenas nos investimentos de prazo inferior a 30 dias.

Seus objetivos e seu orçamento pessoal

Seus Objetivos e Seu Orçamento Pessoal

Todo aquele que pretende investir, seja embaixo do colchão ou no Tesouro Direto, primeiramente deve possuir um claro objetivo de onde está e de onde quer chegar, aliando esse objetivo a um orçamento pessoal e familiar muito bem traçado.

Em outras palavras, isso significa que é necessário gastar menos do que se ganha, para que assim haja uma quantia mensal para ser destinada aos investimentos, o que proporcionará usufruir dos juros no futuro.

Somente com um orçamento traçado e com as finanças equilibradas é que se tornará possível investir no Tesouro Direto, o que proporcionará a realização de aportes mensais fazendo com que o tempo trabalhe em seu favor (através da rentabilização dos juros ao longo dos anos).

Tenha em mente que o recebimento dos juros equivalerá ao aluguel do seu próprio dinheiro em seu favor e isso decorrerá do fato de você receber os rendimentos ao longo do período das aplicações.

É exatamente neste ponto que surge a importância do Tesouro Direto no orçamento pessoal, pois com este investimento torna-se claro o valor do dinheiro durante o período da aplicação, permitindo um melhor planejamento da sua vida financeira.

O “dinheiro não traz felicidade“, mas com toda a certeza, ele traz FACILIDADE, e é com esta facilidade que torna-se possível ter uma vida financeira equilibrada e usufruir dos rendimentos dos investimentos realizados, permitindo à qualquer pessoa colher os frutos de uma vida melhor planejada e facilitada.

Perceba que a renda fixa é uma espécie de investimento no qual o investidor conhece de antemão a rentabilidade, conhece o prazo e o fluxo de pagamentos, o que permite que investidor traçar objetivos claros, pois as regras da aplicação são todas predeterminadas.

No caso do Tesouro Direto é possível conhecer previamente se a rentabilidade do investimento é determinada por uma taxa flutuante do mercado (como a Taxa Selic), se a rentabilidade é determinada pela correção monetária através da inflação (como o IPCA) ou se é determinada por uma taxa de juros fixa (como 12% ao ano, por exemplo).

Como já mencionado, os investimentos em ativos de renda fixa possuem uma característica mais conservadora, com um menor risco, comparado aos ativos de renda variável, mas desde já fica um alerta, a rentabilidade destes ativos varia no tempo de acordo com as taxas de juros determinadas pelo mercado, por isso atente-se, renda fixa não é sinônimo de renda garantida, mas sim sinônimo de previsibilidade de rentabilidade.

Se você ainda não iniciou seus investimentos em títulos públicos sugerimos você ler o nosso artigo sobre Como Investir no Tesouro Direto, pois isso permitirá que você tenha um panorama geral sobre os preços e taxas dos títulos.

Desta forma, fica aqui a nossa recomendação sobre o investimento em títulos do Tesouro Direto, que é uma aplicação com excelente rentabilidade e com o menor risco do mercado.

Gostou do artigo? Curta, Compartilhe e Seja Muito Feliz!